Entenda como é feito o processo de confecção do vinho

O empresário Marco Carbonari é especialista em vinhos há mais de 10 anos, dessa forma, é a pessoa ideal para falar sobre como ocorre o processo de confecção do vinho. Além de ser um apaixonado por vinho, enófilo assumido, Marco Carbonari é proprietário de uma renomada vinícola no interior do estado de São Paulo, a Villa Santa Maria. Desse modo, repleto de conhecimento e amor sobre o assunto, desmistifica os mitos acerca do processo de obtenção da bebida.

Em primeiro lugar vale ressaltar alguns pontos acerca do mundo da viticultura. O primeiro deles é acerca dos métodos de confecção da bebida, há métodos que se diferenciam, pois é o proposto para aquela bebida. Por exemplo, no que tange à manufatura do espumante: há o método Champenoise e o Charmat, que configura na seguinte resolução:

“Todo Champagne é um espumante, mas nem todo espumante é um Champagne.”

“Dessa forma, fica evidente a pluralidade e diversificação no que tange o processo de confecção da bebida”, fala o especialista em vinhos, Marco Carbonari.

Continuamente, um outro ponto é acerca das especificidades da bebida. Além das singularidades da casta, os processos de confecção e forma de armazenamento vão influir no resultado final da bebida, por isso, cautela e atenção em cada estágio são necessárias quando o assunto é vinho, tendo em vista a delicadeza da bebida.

“Em se tratando, de fato, da confecção do vinho, em primeiro lugar há a colheita da uva”, narra Marco Carbonari. Após esse estágio, há o esmagamento da colheita, sendo essa a matéria-prima da bebida, é uma das partes mais importantes da confecção.

Após o esmagamento das uvas na desengaçadeira, o mosto é submetido à uma prensa para que haja a separação da casca e do suco. É nesse momento que há a diferenciação, por exemplo, de vinhos brancos, rosés e tintos, pois é em contato com a casca que o vinho adquire sua tonalidade escura e forte.

O próximo passo é a fermentação, “sendo este um dos processos mais importantes para fazer a bebida”, pois é onde há a separação de um simples suco de uva para um vinho, enfatiza o empresário Marco Carbonari. Nesse estágio, há a adição de leveduras que são responsáveis por fermentar a bebida. Elas se alimentam do açúcar da uva e convertem em álcool e dióxido de carbono.

“Continuamente, há a decantação da bebida em uma trasfega”, explica Marco Carbonari. Bactérias e resíduos de matéria orgânica ficam decantados no fundo do tanque. Após, há o processo de estabilizar a bebida a fim de remover elementos que o deixam turvo.

Por fim, há o processo de amadurecimento da bebida. Em suma, esse processo é feito em barris de carvalho, por conta de todas as propriedades vantajosas do carvalho. Porém, o enófilo Marco Carbonari explica que com o avanço da indústria, esse processo tem sido feito em estruturas de aço inox.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui